Construindo ilhotas produtoras de insulina a partir de células-tronco

😍🍭🍨🍰🍫😍 Ama doces, mas tem diabetes? Os diabéticos podem estar um passo mais perto de não precisarem tomar injeções de insulina! Um estudo recentemente publicado revelou que é possível imitar a formação de ilhotas de células do pâncreas no laboratório, favorecendo seu amadurecimento.

😍🍭🍨🍰🍫😍 Ama doces, mas tem diabetes? Os diabéticos podem estar um passo mais perto de não precisarem tomar injeções de insulina! Um estudo recentemente publicado revelou que é possível imitar a formação de ilhotas de células do pâncreas no laboratório, favorecendo seu amadurecimento. As células transplantadas em camundongos são totalmente funcionais, produzindo insulina e respondendo a mudanças nos níveis de açúcar no sangue. Click no link para acessar o artigo. E não esqueça! Curta a página Ciência, Tecnologia e Inovação Brasil. e compartilhe.

Recapitulating endocrine cell clustering in culture promotes maturation of human stem-cell-derived β cells.

Nair GG, Liu JS, Russ HA, Tran S, Saxton MS, Chen R, Juang C, Li ML, Nguyen VQ, Giacometti S, Puri S, Xing Y, Wang Y, Szot GL, Oberholzer J, Bhushan A, Hebrok M.

Nat Cell Biol. 2019 Feb;21(2):263-274. doi: 10.1038/s41556-018-0271-4. Epub 2019 Feb 1.PMID: 30710150

“CellectAb”: identificando marcadores de células-tronco Tumorais

Conheça a inovadora metodologia denominada CellectAb que permite a rápida identificação de marcadores presentes na superfície de Células-tronco Tumorais, com a geração simultânea de potentes anticorpos específicos que podem ser prontamente utilizados em diversas abordagens terapêuticas contra o câncer.

Conheça a inovadora metodologia denominada CellectAb que permite a rápida identificação de marcadores presentes na superfície de Células-tronco Tumorais, com a geração simultânea de potentes anticorpos específicos que podem ser prontamente utilizados em diversas abordagens terapêuticas contra o câncer. A técnica é uma adaptação da chamada “Phage-display” e utiliza uma biblioteca com uma diversidade enorme de fragmentos Fab (a região do anticorpo que liga ao antígeno), cada um expresso na superfície de um vírus bacteriófago. A biblioteca de vírus é inicialmente misturada com células que não são de interesse, para remover os vírus com Fabs que se ligam a estas células. Em seguida, os virus que não se ligaram às células são misturados com a população de células de interesse (células-tronco tumorais). Os bacteriófagos que se ligam a estas células são selecionados e as regiões Fab são identificadas por sequênciamento, sendo então utilizadas para identificar as proteínas às quais elas se ligam. O processo é rápido e econômico, levando apenas uma semana para identificar os anticorpos, e um mês para produzi-los em quantidade. Uma redução significativa, comparado às 30 semanas utilizadas pelos métodos usuais. Ainda, o fato de se obter a sequência codificadora do fragmento FAB, permite que ela seja utilizada em outras abordagens terapêuticas, como os anticorpos bi-específicos ou as CAR-T Cells (já mencionadas em uma postagem anterior). A abordagem irá acelerar a pesquisa na área e vai nos ajudar na luta contra o câncer. Curta a nossa página Ciência, Tecnologia e Inovação Brasil. e compartilhe a postagem. https://www.nature.com/articles/s41598-018-37462-1

A rapid in vitro methodology for simultaneous target discovery and antibody generation against functional cell subpopulations.

Nixon AML, Duque A, Yelle N, McLaughlin M, Davoudi S, Pedley NM, Haynes J, Brown KR, Pan J, Hart T, Gilbert PM, Singh SK, O’Brien CA, Sidhu SS, Moffat J.

Sci Rep. 2019 Jan 29;9(1):842. doi: 10.1038/s41598-018-37462-1. PMID: 30696911

Sabotando tumores

Quem tem ou teve algum parente com câncer já deve ter sentido uma vontade enorme de dar o troco nessa doença terrível. O problema é que cada câncer pode ter uma origem molecular diferente e pode não responder aos mesmos tratamentos. Ainda, os tumores possuem a capacidade de escapar da vigilância do sistema imune, por diversos mecanismos, tirando a chance do nosso corpo se defender sozinho. No entanto, uma pesquisa demonstrou que é possível sabotar diversos tipos de tumores, de forma que eles sejam atacados pelo sistema imune.

Sabotando os tumores! 😈 Quem tem ou teve algum parente com câncer já deve ter sentido uma vontade enorme de dar o troco nessa doença terrível. O problema é que cada câncer pode ter uma origem molecular diferente e pode não responder aos mesmos tratamentos. Ainda, os tumores possuem a capacidade de escapar da vigilância do sistema imune, por diversos mecanismos, tirando a chance do nosso corpo se defender sozinho. No entanto, uma pesquisa demonstrou que é possível sabotar diversos tipos de tumores, de forma que eles sejam atacados pelo sistema imune. A grande inovação está na maneira que isso é feito. Os pesquisadores descobriram que a injeção intratumoral de mRNAs que codificam OX40L, IL-36γ e IL-23 levou à regressão do tumor em vários modelos de câncer. Esses RNAs entram nas células do tumor, que passam a expressar essas proteínas com atividade estimuladora do sistema imune. Ainda, a terapía também tornou os tumores suscetíveis a outros medicamentos. O estudo feito em camundongos está agora na primeira fase de um estudo clínico para avaliar a segurança em humanos. Vamos torcer para que eles tenham oque merecem! 😉 Gostou? Curta a página Ciência, Tecnologia e Inovação. e compartilhe. Abaixo o link para o artigo.

Durable anticancer immunity from intratumoral administration of IL-23, IL-36γ, and OX40L mRNAs.

Hewitt SL, Bai A, Bailey D, Ichikawa K, Zielinski J, Karp R, Apte A, Arnold K, Zacharek SJ, Iliou MS, Bhatt K, Garnaas M, Musenge F, Davis A, Khatwani N, Su SV, MacLean G, Farlow SJ, Burke K, Frederick JP.

Sci Transl Med. 2019 Jan 30;11(477). pii: eaat9143. doi: 10.1126/scitranslmed.aat9143.PMID: 30700577

Transplante de fezes

Transplante de fezes?!?! 💩🤢Eca!!! Pode parecer estranho, mas esta é uma abordagem terapêutica que tem se mostrado eficiente em diversas doenças. Um trabalho recém-publicado demonstrou que um grupo de 11 bactérias encontradas no intestino de pessoas saudáveis é capaz de inibir o crescimento do câncer em camundongos, e por incrível que pareça, com um efeito maior que um medicamento considerado um dos mais importantes avanços na área das imunoterapias contra o câncer

Transplante de fezes?!?! 💩🤢Eca!!! Pode parecer estranho, mas esta é uma abordagem terapêutica que tem se mostrado eficiente em diversas doenças. Um trabalho recém-publicado demonstrou que um grupo de 11 bactérias encontradas no intestino de pessoas saudáveis é capaz de inibir o crescimento do câncer em camundongos, e por incrível que pareça, com um efeito maior que um medicamento considerado um dos mais importantes avanços na área das imunoterapias contra o câncer (o anticorpo anti-PD-1 bloqueador de importantes “checkpoints” do sistema imune). O mecanismo de ação seria derivado do efeito das bactérias sobre a indução na produção de linfócitos T citotóxicos CD8+ (um tipo de célula envolvida na morte de células “não bem vindas” no corpo). A descoberta e isolamento das 11 bactérias poderia levar ao desenvolvimento de biomedicamentos probióticos melhorados (similar aos probióticos encontrados em iogurtes e nas misturas de bactérias e outros microorganismos do chamado Kefir). Vale ressaltar, que as bactérias identificadas complementaram os efeitos da droga anti-PD-1, tendo um efeito muito maior juntas, do que em separado. Veja a referência no link abaixo e não esqueça, CURTA e COMPARTILHE a Postagem e nossa Página Ciência, Tecnologia e Inovação. para impulsionar e divulgar.

A gut punch fights cancer and infection.

Reticker-Flynn NE, Engleman EG.

Nature. 2019 Jan;565(7741):573-574. doi: 10.1038/d41586-019-00133-w. No abstract available. PMID: 30683936